Páginas

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Concorrência

Com mais de 30 anos trabalhando como professor e consultor de marketing nunca  presenciei um aumento significativo no nível da concorrência. A indústria automobilística, náutica e aeronáutica, o sistema de saúde privado; as empresas de entretenimentos, empresas de telefonia móvel, enfim, quase todos os segmentos de mercado. E, o que fazer quando os mercados estão crescendo e mostra que irão continuar crescendo?

Como diz o professor Jack Trout “A concorrência não é tão difícil quando os mercados estão crescendo. Mas o que acontece quando todos os barcos estão afundando? Onde conseguir seus negócios? A resposta é óbvia: nos outros barcos.

Moral da história: É hora de escolher e aplicar estratégias de marketing para atacar os seus principais concorrentes.

domingo, 27 de novembro de 2011

Centro Hospitalar Albert Sabin

Em 7 de dezembro de 1963 formava-se médico o doutor Alberto Trigueiro (meu irmão), diretor presidente e fundador do Hospital Albert Sabin. Depois de ser plantonista, diretor do Hospital das Clínicas, diretor geral da Maternidade Bandeira Filho e chefe da clínica obstétrica do Hospital Barão de Lucena, doutor Alberto resolveu empreender e criar o Centro Hospitalar Albert Sabin no que seria um dos pioneiros em iniciar o polo médico da Ilha do Leite (Recife). Hoje já são 37 de Hospital Albert Sabin, anos de dedicação às vidas dos pacientes e ao desenvolvimento da medicina no Estado de Pernambuco.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Lançamentos de produtos verdes e amarelos

A associação aos eventos esportivos também é a forma escolhida por empresas como Coca-Cola, Johnson & Johnson, Visa, Nestlé, McDonald’s e Oi para promoverem suas marcas. A rede de fast-food investe no portfólio de produtos durante a Copa do Mundo e as Olimpíadas, elaborando um cardápio com sanduíches inspirados na culinária dos países que sediam as competições, enquanto a operadora de telefonia será a fornecedora oficial dos serviços de telecomunicação durante a Copa de 2014. Já a Sony realizou um evento no último fim de semana de outubro para promover São Paulo como cidade-sede da abertura da competição, estendendo uma bandeira gigante com os dizeres “Bem vindo” em seis idiomas, no estádio do Pacaembu.

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Vuvuzelas x Pandeiros

Uma das grandes atrações da Copa do Mundo 2010 realizada na África do Sul foram as vuvuzelas utilizadas pelos torcedores durante os jogos. Uma corneta barulhenta que chegou até ser discutida pela FIFA se deveria ser proibida durante os jogos. Ocorre que a vuvuzela é um instrumento característico dos torcedores africanos. E, ninguém pode ir de encontro as tradições culturais de um país. Pois bem, em termos mercadológicos as vuvuzelas renderam mais de R$ 8,0 milhões aos fabricantes do instrumento. E, eles já estão negociando com empresários brasileiros para a próxima Copa a ser realizada no Brasil em 2014.

Então, vem uma “ideia”. Vamos a partir de agora utilizar um instrumento musical, considerado nacional, o pandeiro, nos estádios de futebol de todo o país. O pandeiro, como se sabe é um instrumento de percussão usado, originalmente no samba, mas também em quase todos os outros ritmos brasileiros, como por exemplo: no baião, no coco de roda, no maracatu, no frevo, na capoeira, etc. Já pensaram as estampas (bandeira, fotos de jogadores, seleções, próprias, marcas de produtos ou serviços, etc.) a criatividade fica solta para uso na pele do pandeiro. Os fabricantes de pandeiros precisam desde já entrar na “Atmosfera da Copa” e começar o planejamento de marketing. Portanto, a “ideia” é pandeiro na Copa do Mundo 2014!

domingo, 20 de novembro de 2011

Souvenir

Nas viagens que nós realizamos gostamos de trazer pelo menos um souvenir da localidade visitada. Então, temos uma coleção de peças que vão de cédulas, moedas, caixas de fósforos e, evidentemente, uma peça que represente o ícone da cidade. Abaixo, fotos da nossa coleção.







terça-feira, 15 de novembro de 2011

Residenz de Munique: 2011

O Residenz de Munique serviu de sede do governo e residência dos duques da Baviera, os eleitores e os reis de 1508 para 1918. O que começou em 1385 como um castelo no canto nordeste da cidade (o Neuveste, ou nova cidadela) foi transformado ao longo dos séculos em um magnífico palácio, os seus edifícios da cidade e jardins que se estendem mais e mais para o arquivo.

A arquitetura, decoração interior e obras de arte recolhidas na faixa de residênciano tempo do Renascimento, Barroco e Rococó via os períodos iniciais da era neoclássica. Todos eles testemunham o gosto discriminador e as ambições políticas da dinastia de Wittelsbach.








A residência abriga um número de museus e monumentos mantido pela Administração Bávara de estatais palácios, jardins e lagos (o museu Residenz em si, o Tesouro, o Teatro e a Igreja Cuvilliés Tribunal), juntamente com outras instituições culturais. O complexo como um todo é um dos maiores museus da Baviera.

















domingo, 13 de novembro de 2011

MMS coloca arte nos cartões de Natal do NACC

Todos os anos, o NACC – Núcleo de Apoio à Criança com Câncer – produz cartões de Natal para serem vendidos e terem seus lucros revertidos para ajudar suas crianças. Para isso, a MMS Comunicação convidou o artista plástico Manoel Quitério para participar do projeto e o resultado foi surpreendente. A arte solidária promete ser um sucesso.

sábado, 12 de novembro de 2011

Hermes Neto & Keuren

Participamos com muita satisfação, ontem, da cerimônia de casamento do nosso sobrinho Hermes Neto e Keuren. Festa linda! Que Deus os abençoe.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Quais são as melhores estratégias no Facebook?

Beleza de uma noiva está nos detalhes. Juntos, o vestido, o penteado e o bouquet compõem a personagem principal de uma tradição milenar. A noiva da vez entre as estratégias de Marketing das empresas é o Facebook. O maior desafio das companhias é levá-la ao altar de forma incomparável e fazer com que os noivos sejam felizes para sempre. Do namoro até o beijo do sim, o caminho é longo.

Funciona assim também para desenvolver uma estratégia vencedora utilizando a rede social apontada como o segundo Deus da internet mundial, tão ou até mais onisciente e onipresente que o Google. A maioria das marcas no Brasil ainda namora o Facebook à moda antiga. Flertam de longe. Poucos seguram a mão sentada no banco da praça. Algumas conseguem o tão esperado beijo. O que fazer para avançar algumas décadas e partir para, digamos, uma pegada mais forte?

Escalamos Alexandre Hohagen como cupido. O Vice-Presidente do Facebook na América Latina acredita numa fórmula do amor: colocar as pessoas no centro da estratégia, pensar no conteúdo e só depois na ferramenta. “O comportamento das pessoas não mudou”, afirmou em sua apresentação no Digital Age, na última semana. “O que mudou foram as ferramentas. Continuo perguntando para os meus amigos, indicando e comentando sobre um bom restaurante”, explica, para na sequência conceder uma entrevista ao Mundo do Marketing.

Mundo do Marketing: Quando o novo formato do Facebook estará disponível para o Brasil e o que muda para as marcas que estão na rede social?
Alexandre Hohagen: Não tem uma data específica. Estamos abrindo e lançando aos poucos. O mais importante é a possibilidade de ter novos plugins sociais. As empresas poderão criar alguns botões com ações como, por exemplo, “assisti a um vídeo”, “ouvi uma música”, “fui a um restaurante”, entre outros. Isso vai possibilitar conectar mais as pessoas naquilo que elas estão fazendo. Hoje só tem o botão de Like que representa tudo.

Mundo do Marketing: Está havendo uma corrida das marcas ao Facebook. O que as empresas devem fazer para apresentar um bom trabalho?
Alexandre Hohagen: Historicamente, a internet é feita por algumas ondas. Foi assim quando surgiram os portais e os buscadores e muitas empresas acabam entrando só por entrar. Em 2000, um monte de empresa montou o seu e-commerce sem ter uma estratégia por trás. A tendência é que, daqui para frente, as empresas comecem a pensar na estratégia colocando as pessoas no centro. Simplesmente colocar uma fan page no ar não é pensar em rede social, que pensa em atrair pessoas para comprarem seus produtos.

Mundo do Marketing: A ferramenta é um meio, não um fim.
Alexandre Hohagen: O comportamento das pessoas não mudou. A tecnologia e as ferramentas é que possibilitam uma melhor interação.

Mundo do Marketing: Quais modelos de estratégia trazem mais resultado no Facebook?
Alexandre Hohagen: A partir do momento que você tem uma fan page, você tem que atrair as pessoas para que elas possam se transformar em fãs desta marca. E aí você tem a propaganda tradicional por CPM ou CPC para levar estas pessoas à marca. A propaganda, em geral, dá muito resultado.

Mundo do Marketing: Como as pessoas têm reagido à propaganda no Facebook?
Alexandre Hohagen: Temos uma preocupação muito grande para que a propaganda não seja invasiva e intrusiva. Estamos sempre tentando contextualizar esta propaganda de maneira que o usuário não se assuste com o que está dentro da rede. O usuário reage bem e a prova disso é o tanto que estamos crescendo e as marcas que estão crescendo do jeito que estão. Temos marcas que já passaram de um milhão de fãs no Brasil, um número muito grande, como o Guaraná Antarctica e a L’Oreal .

Mundo do Marketing: Como as empresas devem pensar para poder inovar nas redes sociais?
Alexandre Hohagen: Elas devem pensar colocando as pessoas no centro da estratégia de tudo. Como elas podem fazer para que seja muito fácil e rápido compartilhar informações importantes para os seus amigos e sempre considerar que as pessoas têm uma capacidade de viralização muito grande.

Mundo do Marketing: O Facebook é indicado para gerar mais awareness, relacionamento ou venda?
Alexandre Hohagen: Acho que os três. O Facebook tem cada vez mais refletido a nossa experiência no dia a dia. O Facebook é uma base de relacionamento. Só que hoje você não faz mais awareness só com publicidade. Você faz awareness através das indicações e recomendações de amigos.

Fonte: Mundo do Marketing - http://www.mundodomarketing.com.br/

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

sábado, 5 de novembro de 2011

Munique – Alemanha: 2011

Localizada ao sul da Alemanha, a milenar Munique é a maior cidade do Estado da Bavária e a terceira maior da Alemanha, depois de Berlim e Hamburgo, cidades que também já visitamos. Munique é também a mais popular do país.

Munique é uma mistura de arte, cultura e alegria de viver, onde o ritmo frenético das grandes cidades não sufoca as tradições.

As principais atrações turísticas são: o edifício de alumínio e vidro, sede da Hypobank; a catedral Frauenkirche (Catedral de Nossa Senhora Bendita), com as suas elegantes abóbadas arredondadas; o imenso Brunnenbuberl (menino da fonte) na Neuhauserstrasse; a Hofbrauhaus (antiga fábrica real de cerveja).


Destacam-se também as muralhas e portões da cidade velha, como o Isartor, ainda estão de pé e, no seu interior, está o coração geográfico e social de Munique, a Altstadt (Cidade Velha ou Centro Histórico). Dominando a grande Praça Marienplatz está o prédio neogótico da Neues Rathaus (A Nova Prefeitura), onde as pessoas se reúnem para apreciar o Glockenspiel, o famoso carrilhão da cidade, situado no alto da fachada principal e cujos bonecos de madeira movem-se ao som da música, representando fatos históricos. Os seus 43 sinos batem as horas, pontualmente, três vezes ao dia.




Internacionalmente, Munique, pode-se dizer que é a cidade mais conhecida pela produção, pelo consumo e pela festa da cerveja. O grande chamariz anual é o Festival da Cerveja de Munique, a Octoberfest, considerado o maior festival de cerveja do mundo. Participamos conforme mostramos em postagem anterior.










No centro da cidade existe um monumento erguido em memória de Richard Strauss, o famoso compositor e maestro alemão que nasceu em Munique em 1864. Outra atração muito interessante é o Residenz Munchen que será motivo da próxima postagem.